Dermatologia

Conheça a Dra. Eloísa Schmitt Botton

DERMATOLOGIA CLÍNICA E PEDIÁTRICA

Acne

A acne é uma doença de pele bastante frequente, que acomete a maior parte dos adolescentes, porém não se restringe a eles. É bastante comum em adultos, principalmente nas mulheres.

A adolescência é um período de muitas mudanças no organismo, tanto do ponto de vista físico como psíquico. As principais modificações que ocorrem na pele e nos cabelos estão relacionadas à atividade hormonal que se inicia nessa fase. São os hormônios sexuais, que começam a ser produzidos na puberdade, os principais responsáveis pelas alterações das características da pele e desencadeamento da acne (pele oleosa, cravos, espinhas, nódulos, cicatrizes). Acomete com maior frequência a face, mas também pode ocorrer nas costas, ombros e peito.

Fatores que influenciam: genética, hormônios androgênicos, estresse, uso de suplementos anabolizantes e determinados medicamentos e alimentos. A acne deve ser tratada o mais precocemente possível. Não se deve tomar mais a postura de não se preocupar e não tratar a acne por ser considerada “própria da idade” ou “de não ser doença”. O controle dessa doença é recomendável não só por razões estéticas, como também para preservar a saúde da pele e a saúde psíquica, além de prevenir cicatrizes na idade adulta.

Dependendo da gravidade, a acne pode causar sofrimento emocional e levar a cicatrizes da pele. A boa notícia é que existem tratamentos eficazes disponíveis – e quanto mais cedo eles forem iniciados, menor será o risco de danos à pele e à autoestima. Conforme o grau e a intensidade da acne, o tratamento se dá por via oral ou local, dependendo de uma avaliação criteriosa do dermatologista. Os tratamentos disponíveis para a acne, portanto, incluem cremes, géis, sabonetes e antibióticos orais, além da isotretinoína. Os tratamentos complementares que podem ser recomendados pelo dermatologista são: extração de comedões, punção ou drenagem de pústulas, nódulos e pseudocistos, infiltração de medicações específicas, quando necessário, como corticoides, e o tratamento das cicatrizes associadas com peelings, laser e outros procedimentos, como a dermoabrasão, subincisão e preenchimentos cutâneos com gordura ou ácido hialurônico. As manchas associadas à acne podem ser tratadas com procedimentos em consultório e cremes em casa.

Alopecia androgenética

É uma condição genética comum de queda de cabelo, produzida pela ação de andrógenos circulantes. Em indivíduos geneticamente predispostos, começa a ocorrer um afinamento gradual e progressiva dos folículos em determinadas áreas do couro cabeludo. Essa condição começa no início da vida adulta com a perda e o afinamento progressivo dos cabelos. Na mulher o acometimento é de padrão difuso, iniciando-se na região frontal com preservação da linha frontal. Forma-se um padrão difuso característico permitindo a observação do couro cabeludo. O início desse processo pode se dar em qualquer idade após a puberdade, tornando-se evidente, na mulher, a partir dos 25 a 30 anos.
A dermatoscopia e histopatologia são úteis para o diagnóstico.

Alopecia areata

É uma condição caracterizada pela perda de pelos em áreas arredondadas do couro cabeludo ou de outras partes do corpo, como a barba, supercílio, púbis. A extensão da perda de cabelo varia. Em alguns casos, é apenas em alguns pontos. Em outros, a perda de cabelo pode ser maior. Há casos raros, em que o paciente perde todo o cabelo da cabeça, alopecia areata total; ou caem os pelos de todo o corpo, alopecia areata universal. Acredita-se que uma pré-disposição genética desencadeie a reação autoimune, entretanto, outras causas desconhecidas podem também ser desencadeadoras. Não é uma doença contagiosa. Fatores emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos podem desencadear ou agravar um quadro.

Alopecias cicatriciais

Compreendem um grupo de desordens caracterizadas pela destruição permanente dos folículos pilosos. Essa destruição pode ser resultado de afecção folicular primária, ocorrer como dano colateral de agressão da derme ou como evento terminal de outras doenças. Devem ser diagnosticadas e tratadas precocemente, limitando sua extensão.

Alopecia traumática

Também conhecida por alopecia mecânica, ocorre por algum tipo de ação mecânica sobre o couro cabeludo. Caracteriza-se pela perda temporária ou definitiva dos cabelos, sendo produzida por ação física, mecânica ou química sobre os fios dos cabelos. São várias as situações que podem ser causadoras das alopecias traumáticas: tratamentos cosméticos (alisamentos, alongamentos, tinturas, escova progressiva), queimaduras, alopecias pós-cirúrgicas, infecções, entre outras.

Alterações das Unhas

Embora as mais comuns sejam causadas por fungos (micoses) e traumatismos, outros fatores podem estar implicados com doenças sistêmicas, psoríase e líquen plano.

Brotoeja

Nome popular da miliária, uma dermatite inflamatória causada pela obstrução das glândulas sudoríparas, o que impede a saída do suor. Ambientes quentes e úmidos, o excesso de roupas e agasalhos assim como febre alta favorecem o aparecimento de lesões, que aparecem, em geral, no tronco, pescoço, nas axilas e nas dobras de pele, sob a forma de pequenas bolhas de água.

Dermatite Atópica

Chama-se atopia a um conjunto de doenças de causas alérgicas que podem estar presentes em vários membros da mesma família como a asma, a rinite alérgica e o eczema atópico. O eczema pode se manifestar desde a infância e costuma melhorar na idade adulta. O quadro é de lesões avermelhadas com bastante coceira. O rosto, o pescoço, a parte interna dos braços e pernas são as áreas mais afetadas.

Dermatite de Contato

A dermatite de contato é uma reação inflamatória na pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia. Existem dois tipos de dermatite de contato: a irritativa e a alérgica. A dermatite irritativa é causada por substâncias ácidas ou alcalinas, como sabonetes, detergentes, solventes ou outras substâncias químicas. Pode aparecer na primeira vez em que entramos em contato com o agente causador e é uma forma que ocorre em um
grande número de pessoas. As lesões da pele geralmente são restritas ao local do contato. A dermatite alérgica de contato aparece após repetidas exposições a um produto ou substância. Ela depende de ações do sistema de defesa do organismo, e por esse motivo pode demorar meses a anos para ocorrer, após o contato inicial. Essa forma de dermatite de contato ocorre, em geral, pelo contato com produtos de uso diário e frequente, como perfumes, cremes hidratantes, esmaltes de unha, medicamentos de uso tópico, entre outros. As lesões da pele acometem o local de contato, podendo atingir outros à distância.
Alguns produtos causam reações somente após exposição solar concomitante, como o sumo de frutas cítricas e perfumes. Outros produtos podem entrar em contato com a pele quando carregados pelo ar, como inseticidas em spray e perfumes para ambientes.

Dermatite Seborreica

A dermatite seborreica é uma inflamação na pele que causa principalmente escamação e vermelhidão em algumas áreas da face, como sobrancelhas e cantos do nariz, couro cabeludo. É uma doença de caráter crônico, com períodos de melhora e piora dos sintomas. A causa não é totalmente conhecida, e a inflamação pode ter origem genética ou ser desencadeada por agentes externos, como alergias, situações de fadiga ou estresse emocional, tempo frio, excesso de oleosidade.
A dermatite seborreica em recém-nascidos, conhecida como crosta láctea, é uma condição inofensiva e temporária. Aparecem crostas grossas e amarelas ou marrons sobre o couro cabeludo da criança. Escamas semelhantes também podem ser encontradas nas pálpebras, nas orelhas, ao redor do nariz e na virilha. Tanto em adultos como em crianças a doença não é contagiosa e não é causada por falta de higiene. Não é uma alergia e não é perigosa.

Eflúvio telógeno

Consiste em queda exagerada de cabelos, ocorrendo de dois a quatro meses após um estímulo que faz com que ocorra esse desequilíbrio. As causas podem ser: pós-parto, contraceptivos orais, febre, dietas de emagrecimento, deficiências, estados tensionais prolongados, doenças sistêmicas e dermatites.

Escabiose ou Sarna

A escabiose (ou sarna) é uma doença contagiosa causada pelo ácaro Sarcoptes scabie, transmitida pelo contato direto com uma pessoa infectada. Ocorre em ambos os sexos, em qualquer faixa etária, independentemente da raça ou de hábitos de higiene pessoal. Geralmente, 3 a 4 dias após o contato com o ácaro, surgem pápulas (“bolinhas”), às vezes com pequenas bolhas de água e que coçam muito, localizadas nos punhos, entre os dedos, mamilos, axilas, abdômen, nádegas e genitália. Nas crianças pode acometer o couro cabeludo, palmas das mãos e plantas dos pés. O prurido (coceira) é mais intenso à noite, provocando arranhões que podem infectar.

Esclerodermia

É uma doença auto-imune caracterizada pelo endurecimento localizado da pele até o comprometimento de vários órgãos.

Foliculite

Foliculite ocorre quando há infecção dos folículos pilosos, causada por bactérias, como o estafilococo, ou outros fatores. Infecções graves podem causar perda permanente do cabelo e cicatrizes.
A infecção aparece como pequenas espinhas em torno de um ou mais folículos pilosos. A maioria dos casos de foliculite é superficial, pode coçar, e doer. Quando a inflamação atinge áreas mais profundas da pele, pode haver a formação de furúnculos.

Fotossensibilidade

A fotossensibilidade é uma reação incomum da pele quando exposta à luz do sol ou fontes luminosas artificiais. As reações podem se instalar em menos de 30 minutos até dias, e podem deixar marcas e lesões nas áreas expostas aos raios solares ou em locais mais distantes, nesse caso, dificultando o diagnóstico.

Tipos de reação

Fototóxica. Mais comum, pode ser observada minutos ou horas após o contato com o agente agressor associado aos raios solares (são exemplos as reações causadas pelo sumo do limão e sol). As reações são locais, ou seja, apenas na parte que foi exposta ao agente fotossensibilizante. Não há envolvimento imunológico nesse caso, e pode ocorrer com qualquer indivíduo.

Fotoalérgica. Mais rara, ocorre quando uma substância química induzida pelos raios UV alteram moléculas da pele, transformando-as em novas substâncias. Isso provoca uma resposta do corpo, que ataca essas novas moléculas formadas. Demora mais tempo para poder ser observada pois precisa de um contato prévio com a substância para que ocorra a sensibilização. As reações costumam aparecer entre um e três dias após o contato e não se limitam ao local atingido, podendo se espalhar para o resto do corpo.

Hanseníase

A hanseníase, também conhecida como lepra, é uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae. Foi descoberta em 1873 por um cientista chamado Hansen, o nome dado a ela é em homenagem ao seu descobridor. Entretanto, esta é uma das doenças mais antigas já registradas na literatura, com casos na China, Egito e Índia, antes de Cristo.
A doença é curável, mas se não tratada pode ser preocupante. Hoje, em todo o mundo, o tratamento é oferecido gratuitamente, e há várias campanhas para a erradicação na doença. Os países com maiores incidência são os menos desenvolvidos ou com condições precárias de higiene e superpopulação. Em 2011, o Ministério da Saúde registrou no Brasil mais de 33 mil casos da doença.
A transmissão do M. leprae se dá através de contato íntimo e contínuo com o doente não tratado. Apesar de ser uma doença da pele, é transmitida através de gotículas que saem do nariz, ou através da saliva do paciente. Não há transmissão pelo contato com a pele do paciente.
Afeta primordialmente a pele, mas pode afetar também os olhos, os nervos periféricos e, eventualmente, outros órgãos. Ao penetrar no organismo, a bactéria inicia uma luta com o sistema imunológico do paciente. O período de incubação é prolongado, e pode variar de seis meses a seis anos.

Hemangioma

Os hemangiomas são formações tumorais benignas de capilares e vasos sanguíneos. Aparecem na pele como manchas ou tumorações avermelhadas e arroxeadas. Podem representar apenas alterações estéticas, mas casos desde o nascimento podem ser mais extensos e levar a sangramentos , distúrbios da coagulação e compressão de órgãos vizinhos. É extremamente rara a transformação de um hemangioma em uma lesão maligna.
Pode estar presente no nascimento ou se desenvolverem até o primeiro ano de vida. Geralmente, aparecem na face ou no couro cabeludo, mas podem se desenvolver até nos órgãos internos. Crescem de forma rápida, mas costumam desaparecer até o início da puberdade. Há casos com hemangiomas extensos e que devem ser diagnosticados e tratados adequadamente desde o nascimento. Em geral os pediatras detectam estas doenças e encaminham para a abordagem adequada junto ao cirurgião vascular, plástico e dermatologista. Estes casos extensos são de tratamento multidisciplinar. São casos raros, mas que devem ser tratados emergencialmente pois podem causar manifestações sistêmicas devidos às alterações nos fatores de coagulação e hemorragias.

Herpes Simples

O herpes simples é uma doença contagiosa causada pelo vírus HSV (vírus do herpes simples humano). Existem dois tipos de HSV: o tipo 1, que frequentemente se associa as lesões orais, e o tipo 2, que é responsável por 80 a 90% das lesões genitais. A contaminação ocorre pela exposição direta ao contato da pele e das mucosas com uma pessoa infectada. Após a infecção primária, o vírus tem a capacidade de permanecer no corpo humano sem nenhum sinal ou sintoma, podendo posteriormente ser reativado para produzir a doença recorrente (herpes recidivante), que geralmente é menos grave e de duração mais curta que a infecção primária. A doença se caracteriza por vesículas que se agrupam e rapidamente progridem para feridas.

Nos episódios recorrentes as lesões surgem de forma repetida no mesmo local, sendo precedidas por sintomas locais de dor, ardência e formigamento. O número de episódios recorrentes é variável, podendo ir de 2 a 8 ou mais, por ano. As recorrências estão frequentemente associadas a episódios de baixa de imunidade, estresse, exposição prolongada ao sol, febre, infecções ou trauma local.

Herpes Zóster

O Herpes Zóster (HZ) é uma segunda consequência da infecção pelo vírus da varicela herpes-zóster. A primeira manifestação deste vírus é a varicela, também conhecida como catapora.
A reativação desse vírus não ocorre de forma generalizada, como na varicela, e sim de forma localizada, popularmente conhecida como “cobreiro”. O quadro se inicia por ardência, prurido e dor no local acometido, que corresponde à área do nervo em que reiniciou a proliferação viral. Surgem manchas avermelhadas e sobre elas começam a surgir bolhas, que posteriormente formam crostas, evoluindo para a cura clínica das lesões, que ocorrem normalmente em 2 – 4 semanas.
Essas lesões são associadas a graus variáveis de dor, sendo essa particularmente intensa em idosos. A dor que acompanha o curso das lesões cutâneas é chamada de neuralgia herpética aguda. Em cerca de 30% das pessoas a dor persiste após 120 dias do inicio das lesões. Essa dor é chamada de neuralgia pós-herpética, e é a complicação mais frequente e temida do HZ.
Além disso, dependendo do nervo acometido poderão ocorrer complicações locais, como danos na córnea quando acometido o nervo trigêmeo, ou retenção urinaria, quando há comprometimento de terminações nervosas lombo-sacras.
Assim, a prevenção pela vacinação e o tratamento precoce são medidas fundamentais para impedir ou minimizar as consequências dessas doenças.

Hiperidrose

É uma condição que provoca suor excessivo. Os pacientes podem suar mesmo em repouso. A sudorese é uma condição normal do nosso corpo e ajuda a manter a temperatura. É normal suar quando está calor, ou durante a prática de atividade físicas, ou em certas situações específicas, como momentos de raiva, nervosismo ou medo.
Porém, a sudorese excessiva ocorre mesmo sem a presença de qualquer desses fatores. Isso porque as glândulas sudoríparas dos pacientes são hiperfuncionantes. As hiperidrose pode decorrer de diferentes causas, como fatores emocionais, hereditários ou doenças. Diferentes regiões do corpo podem ser acometidas pela hiperidrose: axilas, palma das mãos, rosto, cabeça, sola dos pés e virilha. Quando há transpiração extrema, esta pode ser embaraçosa, desconfortável, indutora de ansiedade e se tornar incapacitante. Pode perturbar todos os aspectos da vida de uma
pessoa, desde a escolha da carreira e atividades recreativas até relacionamentos, bem estar emocional e autoimagem.

Hirsutismo

É um aumento de quantidade de pelos na mulher em locais usuais ao homem, como queixo, buço, abdome inferior, ao redor de mamilos, entre os seios, glúteos e parte interna das coxas. O hirsutismo, embora seja raro costuma afetar as mulheres durante os anos férteis e após a menopausa, geralmente está associado à irregularidade menstrual, alterações hormonais, infertilidade e acne. Muitos casos não têm causa definida.

Lupus

É uma doença auto-imune que apresenta diferentes manifestações clínicas. Seu comprometimento pode ser de uma lesão única até o comprometimento de todo organismo. Acomete principalmente as mulheres jovens em idade fértil.

Micoses

1) Pitiríase Versicolor: Doença de distribuição universal, também conhecida como micose de praia ou pano branco, de evolução crônica e recorrente. Acomete mais adolescentes e jovens e que é causada por fungos do gênero Malassezia. Apresenta-se como manchas brancas, descamativas, que podem estar agrupadas ou isoladas, e normalmente surgem na parte superior dos braços, tronco, pescoço e rosto. Ocasionalmente, podem se apresentar como manchas escuras ou avermelhadas, daí o nome vesicolor.

2) Tineas: São doenças causadas por fungos que vivem às custas da queratina da pele, pelos e unhas. Estes fungos podem ser zoofílicos (encontrados em animais), geofílicos (encontrados no solo) e antropofílicos (encontrados nos homens). Manifestam-se como manchas vermelhas de superfície escamosa, crescimento de dentro para fora, com bordas bem delimitadas, apresentando pequenas bolhas e crostas.

3) Candidíase: Existem situações que favorecem a infecção pela cândida, como baixa da imunidade, uso prolongado de antibióticos, diabetes. Pode se manisfestar de diversas formas, como placas esbranquiçadas na mucosa oral, comum em recém-nascidos; lesões fissuradas no canto da boca, mais comum no idoso; placas vermelhas e fissuras localizadas nas dobras (inframamárias, axilares e inguinais), ou podem envolver a região genital feminina (vaginite) ou masculina (balanite), causando coceira e manchas vermelhas. Antifúngicos tópicos e sistêmicos devem ser empregados sob orientação médica.

Onicomicoses

São a principal causa de alteração ungueal. Acomete tanto as unhas dos pés quanto das mãos. São raras na infância com predomínio no adulto maior de 55 anos. Geralmente a unha se descola do leito e se torna mais espessa. Pode também haver mudança na coloração e na forma. O tratamento é prolongado. Pode feito com medicamentos locais ou orais.

Prevenção
Hábitos higiênicos são importantes na prevenção das micoses. Use somente o seu material de manicure. Seque-se sempre muito bem após o banho, principalmente as dobras, como as axilas, as virilhas e os dedos dos pés. Evite o contato prolongado com água e sabão. Evite andar descalço em locais que sempre estão úmidos, como vestiários, saunas, lava-pés de piscinas. Evite ficar com roupas molhadas por muito tempo. Não compartilhe toalhas, roupas, escovas de cabelo, bonés, eles são maneiras de transmitir doenças. Evite usar calçados fechados por longos períodos, roupas muito quentes e justas e também tecidos sintéticos, pois eles prejudicam a transpiração da pele.

Pediculose (piolho)

Quando uma criança (ou adulto) tem coceira na cabeça, é sinal que ela pode estar com piolhos – ou pediculose do couro cabeludo . A pediculose pode ser confirmada pela presença de lêndeas ou piolhos no couro cabeludo. As lêndeas são os ovos dos piolhos – aqueles pontinhos brancos que ficam agarrados aos fios dos cabelos.
Já o piolho é o parasita, aqueles bichinhos pretos que ficam caminhando pelo couro cabeludo. Quando a criança está infestada de piolhos, a coceira é tão intensa que pode provocar pequenos ferimentos na cabeça. Por isso, é preciso retirar as lêndeas com pente fino, pois os medicamentos só matam os piolhos. Se as lêndeas continuarem nos cabelos, a criança voltará a ter piolhos. A transmissão da infecção se dá através de contato direto ou indireto (escovas de cabelo, roupas).

Pênfigos

Os pênfigos são doenças caracterizados pela formação de bolhas na pele e nas mucosas. São consideradas doenças autoimunes, desencadeadas porque o sistema imunológico produz, de forma equivocada, anticorpos contra estruturas da pele que são responsáveis pela união entre as células.

É muito importante lembrar que, como outras doenças autoimunes, os pênfigos não são doenças contagiosas. Podem aparecer em qualquer idade, mas são mais frequentes em pessoas a partir dos 40-50 anos. Há dois tipos principais de pênfigo: pênfigo vulgar e pênfigo foliáceo. No pênfigo vulgar as bolhas geralmente começam nas mucosas. No pênfigo foliáceo as bolhas e feridas não aparecem nas mucosas, somente na pele.

Além dos pênfigos, há um outro grupo de doenças autoimunes que resulta na formação de bolhas na pele e nas mucosas: os penfigoides. O principal deles se chama penfigoide bolhoso, que afeta principalmente os idosos. A doença é caracterizada pelo surgimento de bolhas grandes e muito firmes e que demoram dias para romper.

Psoríase

A psoríase é uma doença de pele crônica, que apresenta sintomas que desaparecem e reaparecem periodicamente. Sua causa é desconhecida, mas sabe-se que pode ter causas relacionadas ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente e à suscetibilidade genética. Acredita-se que ela se desenvolva quando os linfócitos T começam a atacar as células da pele. Com as células da pele estão sendo atacadas a produção das mesmas também aumenta levando a uma rapidez do seu ciclo evolutivo e grande produção de escamas. Esse ciclo faz com que as células mortas não consigam ser eliminadas eficientemente, formando manchas espessas e escamosas na pele. Normalmente, esta cadeia só é quebrada com tratamento.

É importante ressaltar: a doença NÃO É CONTAGIOSA e o contato com o paciente NÃO PRECISA SER EVITADO.

Queda de Cabelo

O número médio de fios de cabelos varia de 100.000 a 150.000 fios, e a média de perda normal diária de 50 e 100 fios ao dia nos adultos. Os cabelos das mulheres crescem mais rápido do que os dos homens. A perda em número maior, o
afinamento progressivo dos pelos ou áreas de falhas no couro cabeludo podem ser sinais de situações em que a queda deva ser avaliada e tratada.

Queratose Actínica

Queratose actínica é uma lesão vermelha e escamosa. Aparece com mais frequência no rosto, nas orelhas, nos lábios, no dorso das mãos, no antebraço, nos ombros, no colo, no couro cabeludo de pessoas calvas ou em outras áreas do corpo expostas ao sol. Inicialmente, as lesões são pequenas, e normalmente é mais fácil reconhecê-las pelo tato, onde conseguimos sentir a lesão escamativa. A presença de queratoses indica dano solar, e a lesão pode evoluir para câncer da pele.
Pessoas com pele, cabelos e olhos claros são as mais suscetíveis a desenvolver queratoses com o passar dos anos. Manifesta-se mais em homens, pois eles tendem a usar menos protetor solar do que as mulheres. Entre 40% e 60% dos carcinomas começam por causa de queratoses mal tratadas. O câncer se desenvolve quando a lesão invade os tecidos mais profundos da pele.

Rosácea

Doença de pele frequente que causa vermelhidão e inchaço do rosto, principalmente nas bochechas, testa, queixo e nariz. Podem surgir lesões tipo espinhas e, por isso, costumava ser chamada de acne rosácea. Tende a piorar com estresse, mudanças de temperatura, banhos quentes, bebidas e alimentos muito quentes ou apimentados, bebidas alcoólicas. Devem usar filtros solares regularmente além de fazer uso de medicações apropriadas.

Sinais ou Nevos

Nevos são pequenas manchas marrons regulares na pele, salientes ou não. São popularmente conhecidos por pintas. A maioria das pintas surge em decorrência da exposição solar, e possui um formato regular.

Nevos Normais: Um adulto jovem possui entre 10 e 20 pintas, elevadas ou não. O formato deve ser simétrico. A borda regular e bem delimitada. A cor uniforme, e geralmente castanha, marrom ou cor de pele. O diâmetro menor do que 6mm. Esses nevos concentram-se em áreas expostas ao sol, como face, tronco, braços e pernas. Aparecem até os 35 ou 40 anos e são semelhantes, normalmente não há evolução, nem em tamanho, nem em quantidade.

Nevos displásicos: são nevos não usuais, que podem parecer um melanoma. São lesões disformes, em vários tons, e que crescem com rapidez. Pessoas que possuem esse tipo de nevo são mais propensas a desenvolver o melanoma (tipo mais agressivo de câncer da pele). Suas principais características são: Assimetria no formato, ou seja, quando você divide a pinta em dois lados, eles são diferentes. Borda irregular ou mal delimitada, esse tipo de nevo não possui formato definido, como oval ou redondo. Cor variável, geralmente há áreas mais escuras e outras mais claras na mesma pinta. Podendo ser castanha, marrom, marrom escuro, vermelha, azul ou preta. Diâmetro maior do que 6mm. Evolução anormal, algumas crescem repentinamente e podem surgir após os 40 anos.

 

Conheça a sua pele, faça autoexame todos os meses. Vá a um lugar bem claro, e com a ajuda de um espelho de corpo e outro de mão, examine todas as áreas do corpo, inclusive couro cabeludo, planta dos pés e entre os dedos dos pés e das mãos. O exame com um dermatologista deve ser feito ao menos uma vez ao ano. É importante informar sempre que suspeitar de mudanças ou sintomas. É sempre bom prevenir, mesmo que as neoplasias sejam curáveis se detectadas e tratadas precocemente. Adquira hábitos saudáveis e siga as recomendações sobre fotoproteção da SBD:

1 Use chapéus, camisetas e protetores solares.
2 Evite a exposição solar e permanecer na sombra entre 10h e 16h (horário de verão).
3 Na praia ou na piscina, use barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.
4 Use filtros solares diariamente, e não somente em horários de lazer ou diversão. Utilizar um produto que proteja contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo. Reaplicar o produto a cada duas horas ou menos, nas atividades de lazer ao ar livre. Ao utilizar o produto no dia-a-dia, aplicar uma boa quantidade pela manhã e reaplicar antes de sair para o almoço.
5 Observe regularmente a própria pele, à procura de lesões suspeitas.
6 Consulte o dermatologista uma vez ao ano, no mínimo, para um exame completo.

A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores cutâneos, e a maioria dos casos está associada à exposição excessiva ao sol ou ao uso de câmaras de bronzeamento.

Urticária

Urticárias são lesões vermelhas e inchadas, como vergões, que aparecem na pele e coçam muito. O nome da lesão é urtica. Elas podem ser pequenas, isoladas ou se juntar e formar grandes placas vermelhas. Podem aparecer em qualquer área do corpo. Normalmente as lesões mudam de lugar e algumas vão sumindo e outras aparecendo. A
coceira costuma ser muito intensa e atrapalha a vida, o trabalho e o sono. Pode ocorrer inchaço nos lábios, pálpebras, língua, garganta, genitais, mãos e pés. Esse inchaço é chamado de angioedema, que, assim como a urticária, regride e some sem deixar marcas. O angioedema pode ser acompanhado, ou não, de falta de ar, dor abdominal ou dor para engolir. Essa forma mais grave pode levar ao risco de vida.
A urticária que melhora até 6 semanas é chamada de urticária aguda. Quando dura mais que 6 semanas é chamada de urticária crônica. Pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais comum em adolescentes e adultos jovens.
Algumas causas comuns que desencadeiam a urticária são medicamentos (antibióticos, analgésicos, anti-inflamatórios, vitaminas etc.), alimentos (corantes, conservantes e aditivos), infecções (bactérias, vírus e parasitas), estímulos físicos (calor, sol, frio, fricção e vibração), picada de insetos, doenças endócrinas (tireoidites) ou reumatológicas (lúpus eritematoso), doenças malignas (linfomas e tumores) e, em muitas vezes, a causa não é
determinada.

Varicela

A varicela ou catapora, é uma infecção causada pelo vírus varicela-zóster. É uma das doenças mais comuns em crianças menores de 10 anos. É tão comum que mais de 90% dos adultos são imunes à varicela, pois já a contraíram em alguma época da vida. Apesar disso, o vírus se instala em gânglios nervosos próximos à coluna vertebral. Se houver uma reativação deste vírus ele pode causar uma doença chamada Herpes zoster, que possui um quadro clínico geralmente de vesículas agrupadas sobre base eritematosa, associada à sensação de dor e queimação. A transmissão da catapora dá-se pelo contato direto com saliva ou secreções respiratórias da pessoa infectada, ou pelo contato com o líquido do interior das vesículas. Após o contato, o período de incubação dura em média 15 dias. A recuperação completa ocorre de sete a dez dias depois do aparecimento dos sintomas. É importante salientar que acido acetilsalicílico (AAS) não pode ser usado nessa doença pois pode desencadear a Síndrome de Reye, com complicações potencialmente fatais. Os adultos estão mais sujeitos a complicações, como pneumonite e encefalite tendo indicação formal para tratamento antiviral com aciclovir ou um de seus derivados.

Verrugas

Verrugas são proliferações benignas da pele causadas pelo papilomavírus humano (HPV). A infecção ocorre nas camadas mais superficias da pele ou mucosa, ativando o crescimento anormal das células da epiderme.
A transmissão do HPV ocorre por contato direto com pessoas e/ou objetos infectados. Pequenas feridas são necessárias para inoculação do HPV, motivo pelo qual as verrugas são mais comuns em áreas de traumas. É possível ocorrer autoinoculação por meio de pequenos ferimentos que servem de porta de entrada para o vírus, também a transmissão pelo contato sexual e pela via materno-fetal no momento do parto. Pacientes com baixa imunidade são os mais vulneráveis ao aparecimento de verrugas. O pico de incidência ocorre entre 12 e 16 anos.
Sintomas e diagnóstico
O aspecto da verruga varia de acordo com o local acometido. Costumam se apresentar sem sintomas, vegetantes, ásperas, da cor da pele, mas também podem ser planas, macias e escuras. As lesões clínicas decorrentes da infecção pelo HPV podem se apresentar de diferentes formas.

Vitiligo

O vitiligo é uma doença caracterizada por manchas brancas na pele pela perda da coloração da pele. As lesões formam-se devido à diminuição ou ausência de melanócitos (as células responsáveis pela formação da melanina, pigmento que dá cor à pele) nos locais afetados. As causas da doença ainda não estão claramente estabelecidas, mas fenômenos autoimunes parecem estar associados ao vitiligo. Além disso, alterações ou traumas emocionais podem estar entre os fatores que desencadeiam ou agravam a doença.
Importante: o vitiligo não é contagioso e não traz prejuízos a saúde física. No entanto, as lesões provocadas pela doença não raro impactam significativamente na qualidade de vida e na autoestima do paciente. Nesses casos, o acompanhamento psicológico pode ser recomendado .

 Dermatologia

Conheça a Dra. Eloísa S. Botton

 

Atende por convênios e consultas partuculares

COSMIATRIA, PROCEDIMENTOS E LASERS

 

Biópsia

A biopsia é um procedimento simples, em que um pequeno fragmento da pele ou da mucosa é retirado para análise patológica, com o objetivo de diagnosticar um doença da pele, seja ela um tumor ou um outro tipo de dermatose. Há dois tipos principais de biopsias da pele: por “shaving”, quando o dermatologista utiliza uma lâmina ou um bisturi especial para retirar uma pequena amostra da pele, deixando uma cicatriz achatada, e por “punch”, em que se utiliza um aparato redondo e cortante que entra na pele, retirando uma coluna de tecido. A espessura de tecido retirado irá depender da região do corpo. Normalmente, nesse caso é necessário fechar a área com pontos. A pequena peça retirada é enviada ao laboratório de patologia. Durante o procedimento, é aplicado anestesia local.

Cauterização Química

A cauterização química envolve a aplicação de uma substância cáustica ou ácida sobre uma lesão, com o objetivo de removê-la. Após a aplicação do produto, a lesão fica esbranquiçada e pode arder. Ao redor do local tratado a pele pode ficar vermelha, irritada e até inchada. Duas semanas após o procedimento, as crostas que se formam sobre a lesão são eliminadas. Normalmente, usa-se a técnica para tratar queratoses actínicas, queratoses seborreicas, verrugas virais, granuloma piogênico (área sangrante que pode surgir após um trauma ou machucado na pele ou mucosa). Podem ser necessárias várias sessões, a depender do tipo de lesão tratada.

Celulite

É caracterizada pelo aspecto ondulado da pele de algumas áreas do corpo. Afeta 85% a 98% das mulheres após a puberdade, de todas as raças, embora as brancas sejam as mais afetadas. Raramente é observada em homens, mas pode ocorrer quando eles têm algum desequilíbrio hormonal. Não é considerada uma doença, contudo é uma preocupação estética importante para um grande número de mulheres. A celulite tende a ocorrer nas áreas onde a gordura está sob a influência do estrógeno (hormônio feminino), como nos quadris, coxas e nádegas; também pode ser observada nas mamas, parte inferior do abdome, braços e nuca – curiosamente áreas em que é observado o padrão feminino de deposição de gordura. A obesidade não é condição necessária para a sua existência; há mulheres magras com celulite.
Os fatores predisponentes parecem ser hereditários tais como: sexo, etnia, biotipo corporal e distribuição de gordura.
Existem vários graus de celulite, desde aquele em que as depressões só aparecem quando se pinça a pele com os dedos ou os músculos se contraem, até o aspecto acolchoado e nodulações sempre visíveis.

Criolipólise

É um tratamento não invasivo no qual é possível destruir células de gordura utilizando um método de resfriamento controlado, sem danificar a pele ou outros tecidos. O aparelho permite o resfriamento das células de gordura sob a pele na área tratada, as quais são eliminadas naturalmente por processos metabólicos próprios do nosso organismo. O procedimento demora em torno de uma hora e permite que o pacienteretorne às suas atividades normais no mesmo dia. Depende da área de gordura que está sendo tratada, porém, normalmente, são suficientes de 1 a 2 sessões. Os resultados começam a ser percebidos pelos pacientes após 3 semanas da realização do procedimento, e se consolidam entre 2 a 4 meses. Este tratamento não tem como objetivo o emagrecimento e sim redução de gordura localizada em áreas específicas.

Curetagem

Consiste na remoção de lesões cutâneas através da raspagem com um instrumento chamado cureta. Para o tratamento de lesões pequenas utiliza-se apenas cremes anestésicos aplicados com antecedência de 1 hora. Um de seus usos mais frequentes é no tratamento do molusco contagioso.

Depilação a laser

Livrar-se dos pelos indesejados não é mais um processo doloroso ou insatisfatório. A depilação a laser é eficaz em quase todas as áreas do corpo. Vários tipos de laser podem ser usados para obter resultados duradouros, incluindo o laser de diodo, o alexandrite e Nd: YAG.
Durante a remoção os pelos, o laser é atraído pela melanina do folículo piloso. Ao atingir a raiz, a luz é absorvida pelo pigmento e isso o enfraquecerá ou destruirá. Dependendo da área tratada, o procedimento pode durar apenas alguns minutos.
O número sessões dependerá da área tratada, da densidade dos pelos e do ciclo de crescimento deles. O laser atinge o folículo quando o pelo está na fase de crescimento e o enfraquece. O resultado do tratamento varia de paciente para paciente, pois fatores como cor da pele, cor do pelo, espessura do pelo são determinantes. Proteção solar é recomendada em todas as áreas expostas do corpo.

Dermaroller ou Microagulhamento

Aparelho que realiza microfurinhos na pele para a produção de novo colágeno. Utilizado no rejuvenescimento facial e tratamento de cicatrizes.

Depilação definitiva

Procedimento capaz de fazer uma redução dos pelos de maneira definitiva ou prolongada.

Dermoabrasão

Consiste no lixamento da pele para correção de alterações da sua superfície, como cicatrizes ou asperezas. Pode ser feito manualmente ou com uso de aparelhos dermoabrasores (pequenas lixadeiras de alta rotação, semelhantes a um esmeril). O procedimento necessita de anestesia prévia e pode ser realizado no consultório ou ambiente hospitalar, de acordo com as necessidades de cada paciente.
Um de seus usos mais frequentes é no tratamento de cicatrizes de acne. Também é utilizado para correção de bordas elevadas em cicatrizes cirúrgicas e para tratamento de manchas solares. Outra utilidade da dermoabrasão é o tratamento de estrias.
Após o procedimento, há vermelhidão e inchaço da pele, com formação de crostas nas áreas abrasadas e vizinhas. Essa vermelhidão é normal e esperada e pode persistir por algumas semanas após o procedimento. O colágeno continua a sofrer remodelamento até 6 meses após procedimento e é isso que dará uma melhora global na textura da pele. Esse colágeno é que será o responsável pelo preenchimento de rugas e cicatrizes.

Eletrocauterização

A Eletrocauterização é um procedimento cirúrgico destrutivo usado para retirar alguns tipos de tumores benignos e alguns tipos de cânceres da pele. Para realizar o procedimento, primeiro limpa-se o local da excisão, depois aplica-se uma injeção local com anestésico e um vasoconstritor, para controlar possíveis sangramentos. Na eletrocauterização a lesão é carbonizada por eletricidade e calor. O material pode ser coletado e mandado para análise patológica ou não. Normalmente, este procedimento é usado para retirar hiperplasias sebáceas e ceratoses seborreicas. A recuperação é rápida, o paciente retoma as suas atividades no mesmo dia, e o ferimento cicatriza em até 10 dias. É recomendado não expor a área ao sol por dois meses.

Excisão cirúrgica

A excisão é um procedimento realizado para remover completamente uma lesão da pele. É feito com anestesia local e normalmente é uma técnica ambulatorial. O dermatologista, ao medir a área a ser removida, inclui uma margem de segurança. Em seguida, limpa a região tratada e aplica uma injeção com anestésico local e vaso constritor. A lesão é removida com bisturi até a camada gordurosa da pele, e o profissional se certifica de que todo o material foi retirado. Este será enviado para análise patológica. Após a retirada de todo o material o médico sutura o local para melhor cicatrização.

Laser

Laser vem da sigla em inglês que corresponde à expressão “Light Amplification by stimuletad Emission of Radiation”. Na prática, é uma tecnologia que produz radiação eletromagnética contra determinado alvo na pele, que pode ser desde um pigmento, como por exemplo, a melanina (presente nas manchas de sol) até pigmentos de tatuagem, ou até mesmo a água, que é o alvo no rejuvenescimento.
Sua aplicabilidade é vasta na dermatologia e pode ser usado nas seguintes condições clínicas:
Manchas pigmentadas: Melanoses solares: são aquelas manchas escuras, arredondadas, localizadas geralmente em áreas expostas ao sol. Geralmente o seu clareamento responde bem a um grande número de tecnologias: luz intensa pulsada e lasers ablativos.

Pelos: geralmente os pêlos escuros e grossos são os que melhor respondem ao tratamento a laser. Podem ser usados o Diodo, Alexandrita e os Nd Yag de pulso longo (estes são ótima opção em pele negra).

Lesões Vasculares: caracterizam-se por vasos dilatados na pele, que se manifestam desde uma vermelhidão na face e colo, até pequenos vasos chamados de teleangectasias. São opções de tratamento: Luz Intensa Pulsada e Nd Yag de pulso longo.

Rejuvenescimento: muitas tecnologias podem ser empregadas para melhora das rugas e flacidez da pele. Cada técnica vai ser individualizada conforme for o grau de envelhecimento da pele de cada um. Lasers ablativos como CO2 e Erbium são mais potentes, contudo precisam de um maior tempo de recuperação da pele. Já os lasers não ablativos, o indivíduo pode retornar as suas atividades laborativas imediatamente.

Estrias: podem ser utilizados lasers ablativos ou não ablativos. A técnica a ser utilizada vai depender da cor do indivíduo e da área afetada.

Laser fracionado

Este tipo de tratamento envolve a aplicação de uma luz de laser focado na pele. Com o calor gerado pela luz, as camadas superiores e médias são removidas da pele. Após a cicatrização, os resultados gerais mostram uma melhoria visível na coloração da pele, suavização de rugas e cicatrizes.

Luz Intensa Pulsada

A luz intensa pulsada (LIP) é um tipo de tratamento utilizado para manchas, rejuvenescimento e vasos (trajetos avermelhados, mais comuns na lateral do nariz e bochechas). Após as sessões, é fundamental o uso de protetor solar.

Melasma

Se caracteriza pelo surgimento de manchas escuras na pele, mais comumente na face, mas também pode ocorrer nos braços e colo. Afeta mais frequentemente as mulheres, podendo ser vista também nos homens. Não há uma causa definida, mas muitas vezes esta condição está relacionada ao uso de anticoncepcionais, à gravidez e principalmente à exposição solar. O fator desencadeante é a exposição à luz Ultravioleta e mesmo à luz visível. Além dos fatores hormonais e da exposição aos raios solares, a predisposição genética e histórico familiar também influencia no surgimento desta condição. Começam a aparecer manchas escuras ou acastanhadas na face, principalmente nas maçãs do rosto, testa, nariz, lábio superior e nas têmporas, lateral dos braços e colo. As manchas têm formatos irregulares e bem definidos, sendo geralmente simétricas (iguais nos dois lados).
O dermatologista é o profissional mais indicado para diagnosticar e tratar esta condição. Os tratamentos variam, mas sempre compreendem hábitos de proteção contra os raios ultravioleta, a luz visível e o uso de medicamentos tópicos e procedimentos para o clareamento. É importante salientar entretanto que o tratamento do melasma sempre prevê um conjunto de medidas para clarear, estabilizar e impedir que o pigmento volte.

Olheiras

Aspecto escurecido da região periocular. Lembra aspecto de cansaço levando a um desconforto social. Podem ser várias as suas causas e necessitam ser avaliadas a fim de optar pela melhor forma de tratamento.

Peelings Químicos

Os peelings químicos são realizados desde a década de 1960, e se mantém como método efetivo no tratamento de uma grande variedade de condições, mesmo após o impacto e a maior atenção despertados pelos lasers nos últimos anos, particularmente nos países desenvolvidos. São utilizados para atenuação de rugas, manchas e cicatrizes; na diminuição das lesões pré-malignas como as queratoses actínicas; na prevenção do câncer da pele e controle da acne. A dermatologia é responsável pela maioria das publicações científicas a respeito.

Os peelings consistem na aplicação de agentes químicos cáusticos que destroem as camadas superficiais da pele, seguindo-se a sua regeneração, com uma aparência geral melhor. É uma forma de acelerar a esfoliação ou renovação da pele que acontece normalmente. Podem ser superficiais, médios e profundos. Os peelings superficiais precisam ser feitos em séries, enquanto os médios e profundos são realizados em aplicações únicas. Cada paciente deve ser avaliado para melhor indicação do seu caso específico.

Os peelings químicos com ácido glicólico, ácido retinóico, ácido mandélico e outros, oferecem um tratamento não invasivo para ajudar a renovar a superfície cutânea. Após a aplicação, há renovação da camada superficial da pele trazendo brilho e minimizando a visibilidade das linhas finas e de manchas. Embora peelings químicos sejam utilizados principalmente na face, eles também podem ser usados para melhorar a pele no pescoço, colo, mãos e braços.

Preenchimentos

O preenchimento é um procedimento realizado para repor volumes que se perdem e reparar imperfeições adquiridas ao longo da vida, como as cicatrizes. O principal objetivo dos preenchedores é repor o volume da face, melhorar seus contornos e formas. O ácido hialurônico é o principal preenchedor utilizado hoje, o corpo humano fabrica esta substância, capaz de manter as formas e contornos, mas essa produção cai com o passar dos anos. Após a aplicação do produto, a área pode ficar levemente avermelhada e inchada. Contraindicações e uso de medicação rotineira devem ser informados ao médico. O risco de alergias é raro. Os preenchedores são usados em combinação com outros procedimentos para melhorar o resultado final, como o uso de toxina botulínica e de peelings.

O procedimento é antecedido de anestesia realizada com cremes de anestésicos tópicos ou injeção local. Para saber qual é a opção mais indicada para tratar o envelhecimento, procure um dermatologista, profissional está apto para fazer uma análise da sua pele e das suas condições de saúde e, assim, prescrever a terapia adequada a cada caso. Cabe ressaltar que a duração ou o resultado de cada tratamento variam conforme o estado geral de saúde e as características de cada paciente.

Skinboosters

Boosters significam “intensificadores”. O conceito dos skinboosters foi desenvolvido com o objetivo de repor na pele o colágeno e o ácido hialurônico, além de outras substâncias e fibras responsáveis pela firmeza, tônus, elasticidade e hidratação da pele que diminuem com a idade. As perdas destas substâncias são responsáveis pelo surgimento de rugas finas e pela perda do viço na pele. A injeção do ácido hialurônico dentro da pele faz com que a hidratação aconteça de dentro para fora. Os skinboosters não aumentam o volume mas devolvem o brilho, a maciez e a hidratação da pele, além de suavizar linhas finas e de áreas especiais, como pescoço e pálpebras.
A aplicação de Skinboosters é um procedimento médico injetável de hidrataçâo cutânea, através de agulhas curtas e finas, precedido de anestesia tópica. O procedimento pode ser realizado na face, ao redor dos olhos, no colo, pescoço e nas mãos. Recomenda-se 3 sessões mensais, e uma manutenção anual.

Subcisão

É uma técnica cirúrgica feita em consultório e utilizada para corrigir alterações do relevo da pele, como cicatrizes de acne, rugas localizadas profundas, celulite de grau avançado, cicatrizes deprimidas e sequelas de lipoaspiração, ou seja, que formam uma depressão na pele. Ela faz isso rompendo os septos fibrosos, divisões fibrosas entre os compartimentos de gordura, que puxam a superfície da pele para baixo.

Tratamento do envelhecimento cutâneo

Como a busca pela juventude e beleza continuam a crescer, os avanços de pesquisa dentro da indústria de cosméticos e da estética têm visto um crescimento exponencial nos últimos 20 anos.

Por que a pele envelhece?
A pele é o órgão que mais reflete os efeitos da passagem do tempo. A radiação ultravioleta, o excesso de consumo de álcool, o abuso de tabaco, a poluição ambiental, dentre outros, são também fatores que “aceleram” o trabalho do relógio e provocam o envelhecimento precoce da pele. Além disso, poucas pessoas sabem que o aumento do peso corporal e dos níveis de açúcar no sangue também podem ajudar a pele a envelhecer antes do tempo.

Tipos de envelhecimento
Envelhecimento intrínseco da pele
É o envelhecimento provocado pela exposição ao sol e outros fatores ambientais. Um dos agentes mais importantes é a radiação solar ultravioleta. As toxinas com as quais entramos em contato, como tabaco, álcool, poluição, entre outros também ajudam no processo de envelhecimento da pele, e dependendo do grau de exposição aceleram-no.
Fatores que aceleram o envelhecimento:
1 Radiação solar: atua na pele causando desde queimaduras até fotoenvelhecimento e aparecimento dos cânceres da pele. Várias alterações de pigmentação da pele são provocadas pela exposição solar, como as manchas, pintas e sardas. A pele fotoenvelhecida é mais espessa, por vezes amarelada, áspera e manchada.
2 Cigarro: fumantes possuem marcas acentuadas de envelhecimento na pele. O calor da chama e o contato da fumaça com a pele provocam o envelhecimento e a perda de elasticidade cutânea. Além disso, o fumo reduz o fluxo sanguíneo da pele, dificultando a oxigenação dos tecidos. A redução deste fluxo parece contribuir para o envelhecimento precoce da pele e para a formação de rugas, além de dar à pele uma coloração amarelada. Rugas acentuadas ao redor da boca são muito comuns em fumantes.
3 Álcool: Altera a produção de enzimas e estimula a formação de radicais livres, que causam o envelhecimento. A exceção à regra é o vinho tinto, que, se consumido moderadamente, têm ação anti-radicais livres, pois é rico em flavonóides, um potente antioxidante.
4 Movimentos musculares: movimentos repetitivos e contínuos de alguns músculos da face aprofundam as rugas, causando as chamadas marcas de expressão, como as rugas ao redor dos olhos.
5 Radicais livres: são uns dos maiores causadores do envelhecimento cutâneo. Os radicais livres se formam dentro das células pela exposição aos raios ultravioleta, pela poluição, estresse, fumo, etc. Acredita-se que os radicais livres provocam um estresse oxidativo celular, causando a degradação do colágeno (substância que dá sustentação à pele) e a acumulação de elastina, que é uma característica da pele fotoenvelhecida.
6 Bronzeamento artificial: a Sociedade Brasileira de Dermatologia condena formalmente o bronzeamento artificial que pode causar o envelhecimento precoce da pele (rugas e manchas) e formação de câncer da pele. A realização desse
procedimento por motivações estéticas é proibida no Brasil desde 2009.
7 Alimentação: uma dieta não balanceada contribui para o envelhecimento da pele.  Existem elementos que são essenciais e devem ser ingeridos para repor perdas ou ara suprir necessidades, quando o organismo não produz a quantidade diária suficiente. O excesso de açúcar também “auxilia” a pele a envelhecer mais depressa, como já foi dito anteriormente.

Mitos e verdades sobre envelhecimento
A pele precisa de vários produtos e uma rotina para o dia e para a noite. Mito. Você não precisa de vários produtos para tratar e combater o envelhecimento da pele, apenas ingredientes com qualidades específicas. Certifique-se de escolher um produto que tenha os ingredientes mais benéficos para o envelhecimento da pele: vitamina A e vitamina C . Se o seu hidratante noturno ou sérum tem estes ingredientes-chave, você está no caminho certo, e se o seu produto tem também alfa-hidróxi ácido e ácido glicólico ainda melhor, eles são ótimos para renovar a pele, e ideais para tratamento do envelhecimento. Mas atenção: consulte um dermatologista para conhecer os produtos indicados.

Os produtos precisam ser caros para funcionarem. Mito. Não existe essa relação, produtos caros podem não funcionar, assim como produtos que custam muito pouco podem ser verdadeiras fontes de beleza. O essencial é verificar a embalagem do produto, seus princípios ativos, sua data de validade. Caros ou baratos, devem sempre ser
indicados por um dermatologista.

Fumar acelera o envelhecimento da pele. Verdade. Isso faz com que apareçam rugas e a pele fique sem brilho e perca a viscosidade.

Álcool faz mal para a pele. Verdade. Alguns estudos sugerem que comer muitas frutas e vegetais frescos pode ajudar a prevenir os danos que levam ao envelhecimento prematuro da pele. E também sugerem que uma dieta que contenha muito açúcar e outros carboidratos refinados pode acelerar o envelhecimento.

Praticar exercícios físicos faz bem para a pele: O exercício moderado pode melhorar a circulação e estimular o sistema imunológico. Isto, por sua vez, pode dar à pele uma aparência mais jovem.

Dormir de barriga para cima evita rugas. Verdade. Dormir de lado ou sob o rosto faz com que linhas apareçam. Com o tempo, essas linhas podem se transformar em rugas permanentes.

As lâmpadas fluorescentes e a luz da tela de computador aceleram o envelhecimento da pele. Mito. Ainda não há estudos científicos que confirmem definitivamente essa associação.

Proteger a pele do sol previne o envelhecimento. Verdade. A exposição excessiva à radiação ultravioleta é uma das principais causas de câncer da pele e envelhecimento precoce. A radiação UVA causa mais rugas que a UVB. Verdade. A radiação UVA penetra mais profundamente na pele e é a principal responsável pelo fotoenvelhecimento.

Temos de usar filtro solar todos os dias para prevenir o envelhecimento. Verdade. Precisamos aplicar o protetor diariamente, mesmo em dias frios ou chuvosos, pois 80% da radiação UV atravessa as nuvens.

Dicas sobre envelhecimento
O sol tem um papel importante no envelhecimento prematuro da nossa pele, como vimos. Além dele, outros fatores podem fazer com que nossa pele envelheça mais rápido do que deveria, por isso, preparamos algumas dicas para ajuda-lo nessa corrida contra o tempo.
1 Proteja a sua pele do sol todos os dias. Diariamente, mesmo em dias de frio ou chuva, aplique um filtro solar com FPS 30 (ou superior). Entretanto, você deve aplicar protetor solar todos os dias em toda a pele que não está coberta pela roupa, isso inclui mão, pescoço, nuca, orelhas, pés, braços. Não adianta passar protetor apenas no rosto! Se for nadar ou praticar esportes, o produto precisa ser resistente à água. Se houver muita exposição solar ou suor excessivo, o produto deve ser reaplicado regularmente, de preferência a cada 3 horas.
2 Use outras estratégias de fotoproteção. Só o filtro solar não basta. Para ficar bem protegida, é necessário ficar na sombra nos horários de sol forte e complementar o protetor com óculos, roupas e chapéus apropriados.
3 Beba no mínimo dois litros de água por dia. A ingestão de água hidrata o organismo e facilita a eliminação de toxinas que contribuem para o envelhecimento da pele.
4 Higienize a pele diariamente. Limpar a pele duas vezes ao dia, de manhã e à noite. O acúmulo dos resíduos de suor, poluição, maquiagem e outras substâncias provoca a obstrução dos poros e o surgimento de rugas.
5 Use sempre um demaquilante, e nunca durma maquiada. O demaquilante é mais eficaz que o sabonete para remover a maquiagem. Mesmo que esteja muito cansada, remova sempre a “pintura” do rosto, todos os dias. O hábito de dormir maquiada obstrui os poros e impede a pele de respirar, o que provoca oleosidade e envelhecimento precoce.
Se os sinais de envelhecimento da pele o incomodam, você pode consultar um dermatologista. Há tratamentos e procedimentos pouco invasivos para atenuar as rugas e dar firmeza à pele que deixam muitas pessoas com aparência mais jovem.

 

Tratamento das estrias

As estrias são cicatrizes em locais onde houve estiramento excessivo da pele com rompimento das fibras elásticas e colágenas. As estrias ocorrem mais nas mulheres, podendo ser discretas ou exuberantes. O aspecto é de lesões lineares rosadas ou da cor da pele, deprimidas ou discretamente elevadas na fase inicial e brancas quando tardias, com espessura e/ou largura variáveis e mais frequentes nas nádegas, coxas, abdome e costas.
Podem ocorrer em situações, tais como: crescimento, aumento excessivo dos músculos por exercícios físicos exagerados, colocação de expansores sob a pele ou próteses (de mamas por exemplo), gravidez, obesidade, uso prolongado de corticosteroides tópicos, orais ou injetáveis e anorexia nervosa. O ideal é que o tratamento seja realizado logo que as estrias aparecem, na fase em que são recentes, rosadas, antes que se tornem tardias, brancas.
Os tratamentos podem ser feitos de forma isolada ou em associações: cremes, microdermoabrasão; vários tipos de
luzes e lasers. Sempre é importante o uso de hidratantes que melhoram a qualidade da pele.

Toxina Botulínica

A toxina botulínica é injetada nos músculos da face proporcionando o relaxamento temporário da atividade muscular e prevenindo e tratando e formação de rugas.
Outras indicações:
Hiperidrose (Transpiração excessiva)
Enxaqueca crônica
Bruxismo, o qual pode ocasionar desgaste e fratura dos dentes. O tratamento com a toxina botulínica pode ser usado como coadjuvante para reduzir a dor e força de contração muscular, sendo aliado ao tratamento odontológico.
Hipertrofia do músculo masseter: pode levar a uma rotura da harmonia facial, causando em algumas mulheres um contorno facial masculinizado. A injeção de toxina botulínica evita que o músculo continue hipertrofiando e com isso há diminuição progressiva do volume.

 

TIPOS DE CÂNCER DA PELE

Carcinoma basocelular (CBC)

É o mais prevalente dentre todos os tipos de câncer. O CBC surge nas células basais, que se encontram na camada mais profunda da epiderme (a camada superior da pele). Tem baixa letalidade, e pode ser curado em caso de detecção precoce.
Os CBCs surgem mais frequentemente em regiões mais expostas ao sol, como face, orelhas, pescoço, couro cabeludo, ombros e costas. Podem se desenvolver também nas áreas não expostas, ainda que mais raramente. Em alguns casos, além da exposição ao sol, há outros fatores que desencadeiam o surgimento da doença.
Certas manifestações do CBC podem se assemelhar a lesões não cancerígenas, como eczema ou psoríase. Somente um médico especializado pode diagnosticar e prescrever a opção de tratamento mais indicada.

Carcinoma espinocelular (CEC)

É o segundo mais prevalente dentre todos os tipos de câncer. Manifesta-se nas células escamosas, que constituem a maior parte das camadas superiores da pele. Pode se desenvolver em todas as partes do corpo, embora seja mais comum nas áreas expostas ao sol, como orelhas, rosto, couro cabeludo, pescoço etc. A pele nessas regiões normalmente apresenta sinais de dano solar, como enrugamento, mudanças na pigmentação e perda de elasticidade.
O CEC é duas vezes mais frequente em homens do que em mulheres. Assim como outros tipos de câncer da pele, a exposição excessiva ao sol é a principal causa do CEC, mas não a única. Alguns casos da doença estão associados a feridas crônicas e cicatrizes na pele, uso de drogas antirrejeição de órgãos transplantados e exposição a certos agentes
químicos ou à radiação.
Normalmente, os CEC têm coloração avermelhada, e apresentam-se na forma de feridas espessas e descamativas, que não cicatrizam e sangram ocasionalmente. Podem ter aparência similar a das verrugas também. Somente um médico especializado pode fazer o diagnóstico correto.

Melanoma

Tipo menos frequente dentre todos os cânceres da pele, tem o pior prognóstico e o mais alto índice de mortalidade. Embora o diagnóstico de melanoma normalmente traga medo e apreensão aos pacientes, as chances de cura são de mais de 90%, quando há deteção precoce da doença.
O melanoma, em geral, tem a aparência de uma pinta ou de um sinal na pele, em tons acastanhados ou enegrecidos. Porém, quando se trata de melanoma, a “pinta” ou o “sinal” em geral muda de cor, de formato ou de tamanho, e pode causar sangramento. Por isso, é importante observar a própria pele constantemente, e procurar imediatamente um dermatologista caso detecte qualquer lesão suspeita.
Aliás, mesmo sem nenhum sinal suspeito, uma visita ao dermatologista ao menos uma vez por ano deve ser feita. Essas lesões podem surgir em áreas difíceis de serem visualizadas pelo paciente. Além disso, uma lesão considerada “normal” para você, pode ser suspeita para o médico.

Em estágios iniciais, o melanoma se desenvolve apenas na camada mais superficial da pele, o que facilita a remoção cirúrgica e a cura do tumor. Nos estágios mais avançados, a lesão é mais profunda e espessa, o que aumenta a chance de metástase para outros órgãos e diminui as possibilidades de cura. Por isso, o diagnóstico precoce é fundamental. Casos de melanoma metastático, em geral, apresentam pior prognóstico e dispõem de um número reduzido de opções terapêuticas.
A hereditariedade desempenha um papel central no desenvolvimento do melanoma. Por isso, familiares de pacientes diagnosticados com a doença devem se submeter a exames preventivos regularmente. O risco aumenta quando há casos registrados em familiares de primeiro grau. Em caso de sinais suspeitos, procure sempre um dermatologista. Nenhum exame caseiro substitui a consulta e avaliação médica.

Prevenção
Pessoas com risco elevado para melanoma devem permanecer alertas. Os fatores de risco são:
1 olhos, cabelos ou pele clara;
2 sardas;
3 muitos nevos;
4 histórico pessoal ou familiar de melanoma ou de cânceres não melanoma;
5 sensibilidade ao sol;
6 incapacidade de se bronzear; queimaduras solares frequentes ou intermitentes;
7 um grande nevo presente desde o nascimento ou um nevo displásico.

 

EXAME

 

Dermatoscopia

Exame que analisa as lesões da pele, detectando estruturas invisíveis a olho nu. É indicado para detecção precoce do câncer de pele, além do acompanhamento de lesões suspeitas em pessoas que apresentam nevos. É um exame não invasivo e indolor. Avalia pintas irregulares na pele que apresentam coloração diferente, sangramento ou crescimento patológico.